sábado, 15 de dezembro de 2012

Geronimo Francisco Camillo - Um mistério que ficou para trás

Camillo é um sobrenome diferente. Ele pode ter várias origens, Italiana, Portuguesa, Francesa e no Brasil há uma peculiaridade: segundo alguns estudiosos, os escravos negros libertados precisavam de um sobrenome, e muitas vezes adotaram o sobrenome do antigo dono, numa referência  origem (penso eu que até mesmo em uma falta de referência). Assim, também há Camillos negros.


A história do Camillo italiano terá um capítulo a parte no Blog. É muito rica.

O Camillo mais comum é de origem italiana. Não tenho dúvidas disso, mas o laço do meu sobrenome paterno com a Italia se perdeu de uma forma que até hoje tenho muita dificuldades de entender. Apenas sei que meu bisavô se chamava Geronimo Francisco Camillo e teria sido o segundo marido de minha bisavó, que estranhamente sempre foi identificada como Maria. Apenas Maria.

Ela teria se casado novamente e falecido na cidade de Serrana-SP no início da década de 80. Os familiares a chamavam apenas de "Vó Sinhá", e que além de pequena, era uma senhora muito alva e de olhos azuis.

Meu avô Antonio Francisco Camillo nasceu em Altinópolis-SP no ano de 1923 como filho natural de Maria e Geronimo. Casou-se na mesma cidade em 1944 com minha avó Rosaria da Silva (sim, como todo bom ítalo-brasileiro tenho um Silva também), falecendo em 2007 aqui em Ribeirão Preto.

O grande problema é que ele foi criado em um outro ambiente, num terceiro casamento dessa misteriosa bisavó Maria, a vó Sinhá, com um homem bem brasileiro, e muito do que seu pai deixou ficou esquecido. Ganhou novos irmãos, novos ambientes, novos costumes. Nesse esquecimento, inclusive maiores informações de sua origem precisa e até mesmo seu local de sepultamento.

Curiosamente meu bisavô faleceu de maneira estranha quando meu avô tinha apenas 7 anos. Meu avô disse a mim que eles estavam na lavoura, e ouvindo um gemido, foi a primeira pessoa a localizar o pai falecido, caído na rua de café, atrás de um tronco.

Ele se recordava que as mãos de meu bisavô estavam fechadas, como que sofrendo uma dor muito forte, e ao abrir as mãos, grãos e folhas de café, numa tentativa de se manter de pé, escorando-se num pé de café qualquer.

O mesmo café que sustentou tantos italianos, sustentou meu bisavô Geronimo até o fim. Literalmente.

Camillo é un cognome diverso. Ho molte origine di Camillo: Italia, Portogalo, Francese e nel Brasile, alcuni schiavi neri (d´Africa) que avevano bisogno di un cognome alla fine del schiavitù, e spesso ha adottato il cognome del precedente proprietario, un punto di riferimento (penso che anche in mancanza di riferimento). Così ci Camillos neri.

La storia del Camillo italiano avrà un capitolo a parte sul blog. E 'molto ricco.

Il mio Camillo è Italiano. Ma mia storia ha un problema. Lo so che mio grande bisnonno se chiavama Geronimo (Girolamo) Francesco Camillo. Fu il secondo marito dalla mia grande bisnonna, che i tutti record ha solo il nome: Maria, senza nessuno cognome.

Lei si era risposato e morto nella città di Serrana-SP nei primi anni '80. La famiglia ha chiamato semplicemente "nonna Sinha," e che, oltre a piccolo, una signora era molto bianca e con gli occhi azzurri.

Mio nonno, figlio di Geronimo i Maria si chiamava Antonio Francisco, e fu nato nella città di Altinópolis/SP nel anno di 1923. Sposò con mia  nonna Rosaria da Silva (come tutti italo-brasiliano, ho un congnome Silva nella mia famiglia). É morto nel 2007 in Ribeirão Preto/SP.

Il grande problema: mio nonno fu creato n´altro ambiente, con altro matrimonio dalla mia grande bisnonna, ma su marito era un´uomo molto brasiliano, per questo molto da mio grande bisnonno Geronimo fu stato dimenticato. In questo , molte record dala origine, dal sepolto fu dimenticado.

Ricordo che mio nonno Antonio sembrava il giorno dalla morte del suo padre, quando aveva 7 anni. Nell caffè, aveva ascoltato apena uno gemito, e fu la prima persona che ricercava suo padre morto, cadutto nella via del caffè, dietro un tronco.

Si ricordò che le mani di mio bisnonno erano chiusi, come se la sofferenza dolore severo, e le mani aperte, foglie e chicchi di caffè nel tentativo di stare in piedi, puntellare una pianta di caffè qualsiasi.

Il mismo caffè che aveva mantenuto molti italiani, mio nonno Geronimo mantiene fino alla fine. Letteralmente.







7 comentários:

  1. entendi , uma parte dessa família camillo foi para MG, se não me engano por causa da grande descoberta do ouro em minas gerais , essa descoberta atraiu vários gringos , na esperança de ficarem ricos , ou até fugidos de guerra .

    ResponderExcluir
  2. Meu sobrenome Camilo, com um L meus bisavos com LL e familia se estabeleceu em Silvianopolis Sul de minas, tem alguma descendencia esses camilli vc. cita.

    ResponderExcluir
  3. Ola vc poderia mandar uma copia pro meu email
    Me chamo diego camillo ardison, gostaria de saber mais sobre minha familia
    Diegocamillo027@gmail.com

    ResponderExcluir
  4. ola meu nome e vinicius camillo de almeida gostaria de saber mais sobre minha familia...

    ResponderExcluir
  5. Olá Vinicius! Pesquisa com seus familiares mais velhos, procure dados em cartórios e igrejasdos locais onde residiram. É muito interessante!

    ResponderExcluir
  6. Me Chamo Emerson Camilo sou de Olinda PE meu avô se chamava Jose Camilo Dos Santos era Negro Minha Avó Maria Camilo Dos santos era branquinha e dizia que a avo dela era portuguesa entao acho que houve essa miscigenação de negros e portugueses, qida qual o brasao a ser usadoual a duv

    ResponderExcluir
  7. Olá, me chamo Daniela Camillo, eu gostaria de saber que descendência tem o meu sobrenome, pois estou querendo conseguir cidadania européia, mas não sei se é italiano ou portuguÊs...

    ResponderExcluir