quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Sobre a Família Polo, a do nonno Lino (e sobre ele também)

Minha mãe e alguns de meus  primos contam que meu bisavô Lino Polo era um sujeito pacato, as vezes parecia triste. Minha mãe recorda dele quieto no final do quintal onde morava, olhando para o nada, como que estivesse sofrendo ou remoendo uma saudade de algo ou alguém.


Meu nonno era um italiano meio fora do padrão, penso eu.

Primeiro pelo aspecto físico - ele era um Veneziano de pele razoavelmente morena e cabelos lisos e negros.  Fico feliz por ter herdado tais características, e outras como por exemplo não gostar muito de conversar de manhã, hábito (ou rabugice) que meu avô Pedro, e minha mãe também me passaram. Eu odeio ficar papagaiando cedo, logo que acordo. Prefiro o gosto e a sobriedade do silêncio.

Segundo, porque ele foi fruto de um casamento diferente para a época em que ele nasceu. Deve ter sofrido aos bocados, e esse sofrimento veio em doses regulares ao longo da vida.

Imagino que existiam segredos e histórias. Algumas creio que nem ele mesmo sabia, que acabei descobrindo ao acaso. Penso bem ser verdade que a mentira tem pernas curtas ou fins determinados, mesmo que demore-se mais de um século para que a resolvamos.

Sua epopéia começa antes mesmo de seu nascimento. Tudo graças a um casamento fora de padrão.

Para minha surpresa, as coisas começaram a se tornar curiosas quando vi seu nascimento no Ufficio (cartório) de Santo Stino. É um registro triste. Triste porque não seguia o mesmo padrão dos demais. Na Itália as coisas são mais organizadas que aqui no Brasil, desde pelo menos 1870.

Os registros de nascimento naquela época eram bem feitos na Itália, padronizados e com muitas informações, dentre elas o nome de Pai e Mãe, bem legíveis. A diferença começava aí - o meu trisavô Pietro Polo casou-se com 42 anos, o que para a época era uma idade considerável, e foi identificado como "nunzio". Traduzi de todas as formas, e contei inclusive com colegas italianos de nascimento. A única tradução encontrada, seja em Italiano padrão ou Dialetto Veneto seria Nuncio, Padre. Seria meu trisavô padre? Um detalhe curioso é que não tenho informações sobre irmãos dele por parte de pai.

Sua mãe, minha trisavó Antonia Bortolotto, era então viuva de Giovanni Polito, e tinha ao menos 3 filhos: Stella, nascida em 1870, Giovanni, em 1872 e Domenico em 1876. Ficou viúva entre 1875 e 1878 ao menos, quando em 1878 ficaria grávida de um suposto padre. Imaginem uma mulher mãe solteira em 1878 num país tão católico como a Italia. Situação difícil, penso eu.

Por causa disto, no registro de nascimento do meu nonno Lino não há nome de mãe. Consta apenas que "filho de uma senhora viúva, cuja família não impediu a união". Preconceito puro.


As coisas começaram a mudar em 1886. Os pais do nonno se casam e ele se torna filho "legítimo". No registro de casamento, ao final há a seguinte menção:  "Os esposos na presença dos presentes testemunhas expuseram que de sua união natural nasceu um filho macho que do pai Polo Pietro vem denunciar a este ofício de estado civil em 28/03/1879, cujo nome dado foi Lino e que declaram no presente ato de reconhecê-lo como próprio filho ao efeito de sua legitimação".




Creio que eles devem ter casado para imigrar, uma vez que eram desejáveis famílias para o café - e isso na época deixava o embarque mais fácil. No casamento o pai do nonno já é apontado como vedovo e contadino - viúvo e agricultor, camponês. Eles imigraram em 03/04/1887, através do porto de Genova, segundo o registro no Archivivo Storico di Venezia, Lista di Leva.

Algo muito curioso é que em exceção ao Giovanni Politto, que se tornaria mais tarde João Polito aqui no Brasil, até então nunca havia outra informação sobre os demais irmãos, Stella e Domenico, sequer sua existência. Mais tarde, recebi uma informação curiosa de meu primo Mario Paulo, de Pradópolis - que o nonno possuíria um irmão vindo mais tarde para ajudar nos vencimentos da família, já que o seu pai teria falecido e eles estariam passando por maus bocados na Fazenda São Martinho (hoje usina São Martinho, em Pradópolis-SP). Este irmão seria mais velho e prestava serviço militar no então Reino da Itália. Eu nunca consegui encontrar tal registro.

Acredito que o nonno seria mesmo uma espécie de patinho feio da família, pois os irmãos seriam aparentemente bem diferentes fisicamente, bem mais claros. O que leva a crer que minha trisavó Antonia Bortolotto seria também de pele mais clara. E o que pensar de seu pai - pele bastante escura e padre? Madonna mia....

A foto agora é uma raridade: seu irmão João Polito (Giovanni) em frente a sua Padaria Santa Bárbara, em Guaranésia-MG. Consta que esse irmão teria sido uma pessoa muito atenciosa e seria uma espécie de modelo de caráter e sucesso. Ele é o homem de suspensório na foto.






O tempo passa, e eles imigram inicialmente para Amparo, depois há indícios que passaram por pela Fazenda Guatapará, São Simão, Cravinhos. O nonno se casa em 06/10/1900, onde consta que ele já é orfão de pai, mas que sua mãe é viva na ocasião. 






Uma curiosa informação: uma das testemunhas do casamento do nonno foi um Italiano, Silvestre Monesin, o mesmo sobrenome de sua cunhada e esposa de seu irmão Giovanni Polito. Seria coincidência? Seria a familia Monesin uma família amiga, mais próxima?

Uma outra coisa muito estranha: A mãe do nonno, no seu casamento é identificada como  Laura Antonia. Isso também soa muito estranho, visto que não faço idéia de tal alteração ou outro casamento. Mais um mistério dessa minha diferente trisavó.

Um dos maiores mistérios da genealogia da família é o local de sepultamento dos meus trisavós do nonno. Como visto, seu pai faleceu entre 1887 e 1900, e sua mãe depois. Não há informações precisas. Uma prima, Terezinha, afirmou que lembra-se no nonno comentar que seus pais teriam ficado em Mogi-Guaçu ou Mogi-Mirim. Um detalhe curioso é que na região de Campinas pude observar pessoas com o sobrenome Polito. Seriam filhos de quem? da Stella? Domenico? ou mesmo do João?

Sabe Deus. E desejaria muito que ele me ajudasse a descobrir também.

Meu nonno falece em 14/02/1879 em Pradópolis-SP, de um de nossos grandes males, câncer.


Mia madre i alcuni di miei cugini hanno detto que mio bisnonno Lino Polo fu uno uomo semplice i molto tranquilo,   a volte sembrava triste. Mia madre si ricorda da mio nonno alla fine del cortile dove abitava, fissando il vuoto, mentre stava rimuginando la sofferenza o il desiderio di qualcosa o qualcuno.

Penso che mio nonno era un pò diverso di altri Italiani.

In primo luogo l'aspetto fisico - è stato uno Veneziano di abbastanza pelle scura i capelli molto scuro,molto brunno. Sono feclice per avere anche caratteristiche, i altri, como no me piace parlare molto di matino, come mio bisnonno, come meio nonno, come mia madre. Preferisco il gusto del silenzio, sobrietà.

Secondo perchè mio bisnonno fu risultado di uno matrimonio diverso dal sua tempo. Deve aver sofferto a pezzi, e questa sofferenza è venuto in dosi regolari per tutta la vita.

Penso che hanno segretti e istorie. Alcuni credo che mio nonno non sapeva, che ho scoperto. Penso che è vero che le gambe delle mentire sono corti o scopi determinati, anche se ci vuole più di un secolo per risolvere quelli che.


Sono sorpreso, perchè le cose hanno tornato diversa quando ho visto Il Record di nascità nel Ufficio di Santo Stino (VE). È uno Record triste. Triste perchè non seguito lo stesso modello come gli altri. In Italia le cose sono più organizzati che qui in Brasile, almeno dal 1870.

Le Record di nascità in questo tempo erano benni fatti nel`Italia, standardizzato e ricco di informazioni, tra cui il nome di Padre e Madre, e leggibile. La differenza ha cominciato lì - il mio grande bisnonno Pietro Polo sposato 42 anni, che al tempo era un età considerevole, ed è stato identificato come "Nunzio". Tradurre qualsiasi forma, compresi i colleghi di nascita italiana. La traduzione trovato solo sia in italiano o nel dialletto Veneto sarebbe Nunzio, Prete. Sarebbe mio grande bisnonno sacerdote? Un particolare curioso è che non ho alcuna informazione circa i suoi fratelli dal prete.


Su madre, mia grande bisnonna Antonia Bortolotto, fu allora vedova di Giovanni Politto, e aveva almeno 3 figli: Stella, nata nel 1870, Giovanni, nel 1872 e Domenico 1876. È vedova tra 1875 e 1878, quando nel 1878 'd essere incinta di un prete? Immaginate una madre single nel 1878 in un paese cattolico come l'Italia. Situazione difficile, credo.

Per questo, Il record di nascità dal mio nonno non há Il nome della sua madre. Há scritto solo “dalla sua uniona com donna vedova non parente ne offine con Lui".


Le cose sono cambiati nel 1886. I genitori di nonno si sposano e diventa un figlio "legittimo".Nel record di matrimonio hano scritto che “loro sposi hanno presenza di questi testimoni hanno esposto che la loro unione è nato un maschio figlio naturale che è il padre di Pietro Polo viene a riferire a questo ufficio il 28/03/1879 stato civile, Lino il cui nome è stato dato e dichiarare che in questo atto di riconoscerlo come suo figlio per effetto della sua legittimazione. "Gli sposi alla presenza dei fuololetti testimoni hanno sposto altresi che dalla loro unione naturela nacque un figlio maschio che dal padre Polo Pietro venne denunciare a questo ufficio di Stato civile nel ventotto marzo anno milleottocentosettantanove a cui fu dato il nome di Lino e mi hanno dicliarato che col presente atto di riconoscerlo per proprio figlio all´affetto della sua legittimazione


Credo che hanno sposato per immigrare, perchè le famiglie erano preferiti per lavorare nel caffè invece di persone sole. Nel matrimonio di miei grade bisnonni, il padre di mio bisnonno erano descritto come vedovo e contadino. Loro hanno immigrati nel 03/04/1887, del porto di Genova, secondo Il record nel Archivivo Storico di Venezia, Lista di Leva.

Cosa piu interessante è sucesso allora: salvo Giovanni Politto, che nel Brasile essere chiamato João Polito, non mai ho saputo di altri fratelli da mio bisnonno, Stella e Giovanni. Dopo, ricevute uma curiosa informazioni di mio cugino Mario Paulo da città di Pradopolis – che meio nonno aveva altro fratello, piu Vecchio, che aveva ritornato d´Italia per aiutare la famiglia, que aveva problemi perche Pietro Polo, mio grande bisnonno era morto. In questo tempo, vivevano nella Fazenda São Martinho,oggi Usina São Martinho, na città di Pradopolis. Questo fratello lavorava nel servizio militare nel Regno d'Italia poi. Non ho mai potuto trovare un record di questo fratello. 



Penso che mio nonno era uno tipo de bruto anatroccolo, poi suo Fratelli erano di aspetto diverso, più chiaro di lui. Credo que mia grande bisnonna era anche chiara. E suo padre – pelle scura i prete? Mandonna mia....



La foto é uma rarità: su fratello João Polito (Giovanni), di fronte alla sua panetteria Brasiliana, ala via Santa Barbara, in Guaranésia-MG. Secondo quanto riferito, questo fratello sarebbe stato molto utile e sarebbe una sorta di modello di carattere e di successo. Egli è l'uomo nella foto con bretelle.


Il tempo passa, e la loro migrazione a città di Amparo inizialmente, poi ci sono prove che cui è stato sottoposto a Guatapará, São Simão, Cravinhos. Il nonno sposa in 1900/06/10 a Cravinhos, che indica che egli è il padre orfano, ma sua madre è viva al momento.


Un´altra interessante informazione: uno testimoni dell matrimoni da mio nonno fu uno italiano, Silvestre Monesin, lo stesso cognome dalla sorella di suo fratello Giovanni Polito. Si tratta di una coincidenza? Sarebbe le Monesin uma famiglia amica?



Altra cosa più diversa: La madre dal mio nonno, nel suo matrimonio è identificata come Laura Antonia. Questo sembra molto strano, perchè non capisco le cause su altro possibile cognome o altri matrimonio. Um altro mistério dalla mia grande bisnonna Antonia.


Un grande misterio della genealogia della famiglia è il luogo di sepoltura dei miei grandi bisnonni. Come si è visto, suo padre è morto tra il 1887 e il 1900, e poi la madre. Non ci sono informazioni precise. Una cugina, Teresa, ha detto che ricorda il commento dal nostro nonno che i suoi genitori sarebbero stati a le città di Mogi-Mirim o Mogi-Guaçu. Un particolare curioso è che a Campinas ho osservato le persone con cognome Polito. Sono bambini che? Stella? Domenico? o anche Giovanni?


Dio lo sa. Vorrei davvero che mi avrebbe aiutato a scoprire troppo.

Il mio nonno è morto il 14/02/1879 in Pradópolis-SP, di uno dei nostri grandi mali, il cancro.

5 comentários:

  1. Caro Fernando, uma correção: 1879 foi o ano de nascimento do nonno.
    Ele faleceu em 14.02.1961.
    Me lembrei recentemente que minha mãe comentava o fato do nonno, na juventude tocar sanfona de oito baixos em bailes.
    É de crer-se, ter sido um dos motivos do interesse da nonna por ele. Presume-se pois, não fosse aquela sanfona "nois já era!"

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde Senhores,

    Estou buscando o nascimento de José Pollo, nosso primeiro esforço foi solicitar a​s​ busca​s​ do batizado dele na Diocese de Amparo, que abrange os municípios de Amparo, Águas de Lindóia, Holambra, Itapira, Lindóia, Mogi Mirim, Monte Alegre do Sul, Pedreira, Jaguariúna, Santo Antônio de Posse e Serra Negra. ​​Não foi ​localizado!

    Estudando a história da comarca de Mogi Mirim, li que Mogi Guaçu só foi elevada a categoria de município em 1906, ainda que fosse uma vila desmembrada de Mogi Mirim desde 1877. Solicitei busca no cartório lá em 2015​. ​Não foi ​localizado!

    Agora analisando os municípios ao norte de Mogi Mirim, vi que eles são da Diocese de São João da Boa Vista, que abrange dezoito municípios: São João da Boa Vista, Aguaí, Águas da Prata, Caconde, Casa Branca, Divinolândia, Estiva Gerbi, Mococa, Mogi Guaçu, Itobi,Espírito Santo do Pinhal, Santa Cruz das Palmeiras, Santo Antônio do Jardim, São José do Rio Pardo, São Sebastião da Grama, Tambaú, Tapiratiba e Vargem Grande do Sul.

    Então pensei na possibilidade de fazermos ​as mesma​s​ busca​s​ nesta diocese. Ou seja: ​eu entendo que na oportunidade ele prestou uma informação não verdadeira.

    ​Solicito que se faça as busca​s​ do batizado do José Pollo nesta ​Diocese​, pois em 10 anos trabalhando com dupla cidadania italiana, constatei diversos casos, onde a declaração da pessoa que estava se casando não corresponder com o local que ele nasceu, ainda mais ele sendo um filho de um italiano que não tinha o hábito de dialogar com os filhos.

    ​Período: de 1900 à 1910:
    Estou tentando localizar a certidão de nascimento ou batismo de:

    Nome: José Polo
    Nascimento: 15/12/1904
    Pai: Marino Polo ou (italiano: Paolo Marino Polo)
    Mãe: Filomena Groto

    Desde já, agradeço gentilmente se alguém tiver esta informação e puder colaborar conosco.

    Atenciosamente,

    Wagner Fabotti
    Diretor Presidente
    wagner@onlineconsultoria.com

    Grupo Real Online Sport & Advogados Associados
    Tel: + 55 11 4963-0866
    Cel: + 55 11 94749-5766

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde Senhores,

    Estou buscando o nascimento de José Pollo, nosso primeiro esforço foi solicitar a​s​ busca​s​ do batizado dele na Diocese de Amparo, que abrange os municípios de Amparo, Águas de Lindóia, Holambra, Itapira, Lindóia, Mogi Mirim, Monte Alegre do Sul, Pedreira, Jaguariúna, Santo Antônio de Posse e Serra Negra. ​​Não foi ​localizado!

    Estudando a história da comarca de Mogi Mirim, li que Mogi Guaçu só foi elevada a categoria de município em 1906, ainda que fosse uma vila desmembrada de Mogi Mirim desde 1877. Solicitei busca no cartório lá em 2015​. ​Não foi ​localizado!

    Agora analisando os municípios ao norte de Mogi Mirim, vi que eles são da Diocese de São João da Boa Vista, que abrange dezoito municípios: São João da Boa Vista, Aguaí, Águas da Prata, Caconde, Casa Branca, Divinolândia, Estiva Gerbi, Mococa, Mogi Guaçu, Itobi,Espírito Santo do Pinhal, Santa Cruz das Palmeiras, Santo Antônio do Jardim, São José do Rio Pardo, São Sebastião da Grama, Tambaú, Tapiratiba e Vargem Grande do Sul.

    Então pensei na possibilidade de fazermos ​as mesma​s​ busca​s​ nesta diocese. Ou seja: ​eu entendo que na oportunidade ele prestou uma informação não verdadeira.

    ​Solicito que se faça as busca​s​ do batizado do José Pollo nesta ​Diocese​, pois em 10 anos trabalhando com dupla cidadania italiana, constatei diversos casos, onde a declaração da pessoa que estava se casando não corresponder com o local que ele nasceu, ainda mais ele sendo um filho de um italiano que não tinha o hábito de dialogar com os filhos.

    ​Período: de 1900 à 1910:
    Estou tentando localizar a certidão de nascimento ou batismo de:

    Nome: José Polo
    Nascimento: 15/12/1904
    Pai: Marino Polo ou (italiano: Paolo Marino Polo)
    Mãe: Filomena Groto

    Desde já, agradeço gentilmente se alguém tiver esta informação e puder colaborar conosco.

    Atenciosamente,

    Wagner Fabotti
    Diretor Presidente
    wagner@onlineconsultoria.com

    Grupo Real Online Sport & Advogados Associados
    Tel: + 55 11 4963-0866
    Cel: + 55 11 94749-5766

    ResponderExcluir
  4. Oi, sou de Londrina, PR e me interessei pela história, tenho família por aqui mas sou sozinho no sentido de saber sobre meus parentes perdidos por aí, esses dias "achei" um perdido em um concurso de desenho onde eu e Johny Polo e Andrew Polo ficaram nas colocações (risos) mostrando que além de tudo essa família tem um potencial artístico forte, já que minha avó Maria Marta Polo também é artesã. Interessante saber sobre a origem do seu sobrenome.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Heytor boa tarde,
      Envie um e-mail ao Sr. Jurandir Polo (pimenteljp@hotmail.com ), ele tem toda a história dos seus familiares.
      Abraços,
      Wagner Fabotti

      Excluir